• HOME
  • WESLEY SATHLER

  • EXPEDIENTE
  • VALE A PENA LER DE NOVO
  • GALERIA

  • WS CHOICES



MARCELO NETTO

Publicado em 05/11/2018

Nosso eleito de hoje é um empresário com aguçado faro para bons negócios. Sua trajetória em Vitória é feita de grandes momentos e conquistas. Com vocês, um breve bate-papo com Marcelo Silveira Netto, 57 anos, coração de menino, energia de atleta!
 
 
1 – Um pouco da sua história.
 
Nasci em Nova York, mas minha infância e a adolescência foram, em sua maior parte, no Leblon, no Rio, mas antes mesmo da maioridade, já estava de volta para os “States”, onde morei e estudei na costa oeste, mais precisamente em Portland, Oregon. Meu pai era advogado e minha mãe sempre foi “do lar”. Eles são brasileiros, minha mãe é de Poços de Caldas e meu pai, de Belo Horizonte-MG. Mas os dois são radicados no Rio de Janeiro. Na minha adolescência, além de estudar, sempre me dediquei ao surfe e sempre fui louco por futebol. Desde cedo, me sentia um cidadão do mundo, sonhava em  conhecer todos os continentes, o que, graças a Deus, se tornou realidade ao longo da minha vida. Meus pais nos incentivaram a viajar e a conhecer o mundo, sempre procurando demonstrar a importância de falar outros idiomas. 
 
 
2 –  Um pouco sobre o trabalho antes da abertura do restaurante.
 
Durante trinta anos, fui executivo de um grande e tradicional grupo multinacional na área de café. Eu comecei como trainee aos 18 anos, quase 19,  e terminei como diretor-superintendente do grupo, até 2010. Nesse ano, criei a NETTOWORKS, uma boutique de fusão e aquisição de empresas e assessoria no desenvolvimento de negócios.
 
3 – Por que decidiu sair?
 
Momento de voar sozinho, vivia dentro de hotéis e aviões, chegou o momento de seguir a vida e realizar o próprio negócio.
 
 
4 – Qual a proposta do Cosmô?
 
O Cosmô é um projeto meu e de minha mulher, Leticia Rody. Decidimos em casa, em volta da mesa de jantar, tomando um bom vinho, assim como fazemos quase todos os dias. Óbvio que o fato de termos um chef como o Harum Katharian ao nosso lado nos incentivou bastante. Tanto no meu caso como no de Letícia, o Cosmô é um projeto paralelo e complementar, e em breve teremos mais novidades. Vamos abrir um restaurante japonês, um IZAKAYA, e estamos trazendo um dos sushimen mais feras de São Paulo.
 
 
5 – O que tem de diferente de outras casas?
 
A proposta do Cosmô é oferecer, num mesmo lugar, um bar de alto nível, onde se pode tomar um Negroni impecável, apresentado no que chamamos de gelo perfeito, por isso convidamos o Rodrigo Perdigão para assinar o bar. Na cozinha, trouxemos um dos maiores feras que já conheci, o chef Harum Katharian, que, por vários anos, foi chef do fera Erick Jacquin,  e tudo isso ao som do melhor da deep house, com trilha sonora assinada pelo DJ Leandro Rallo, de Belo Horizonte, e também grande amigo. Sem falar que ainda teremos sempre às quintas, sextas e sábados um DJ tocando ao vivo. Tudo isso no cantinho mais charmoso da Praia do Canto, aos pés do Morro do Cruzeiro.
 
6 – O que gosta de fazer quando não está trabalhando?
 
Nada me proporciona mais prazer do que viajar, comer bem, conhecer culturas diferentes ao lado da minha mulher. Juntar amigos à mesa, ao som de uma deep house, acompanhado por um bom vinho e depois um bom charuto, não tem preço. É isso que queremos.
 
 
7 – Qual o seu sonho não realizado?
 
Poder mostrar todos os países a Leticia – ela é ávida por viajar e conhecer o mundo.
 
 
8 – Tem filhos?
 
Tenho seis: Danilo, Bianca, Lucas, Lorenzo, Nicolas e o Gabriel (filho de Letícia), que também considero meu filho.
 
 


Compartilhe: